Thursday, 5 October 2017

1963 - Albums - July to December

6 July 1963 - 'Revista do Radio' LPs + procurados (best selling albums in S.Paulo)

1. Elizeth interpreta Vinícius Elizeth Cardoso (Copacabana)
2. Samba da madrugada - Isaura Garcia (Odeon)
3. Recordando sucessos juninos - Luis Bordon (Chantecler)
4. A swingin' safari - Bert Kaempfert (Polydor)
5. Tangos famosos - Roberto Luna (RGE) 

7 July 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro) 
1. Candelabro Italiano – Al di là (sound track) [3]  (WB-Odeon) (1)
2. Bossa Nova com Herbie Mann (Atco-Fermata)
3. Tamba Trio (Philips) (4) 30 wks
4. A swingin' safari - Bert Kaempfert (Polydor) (2) 20 wks
5. Sucessos de ouro de Emilio Pericoli (WB-Odeon) (3)

6. Peppino di Capri vol. 3 (Odeon) (6)
7. Elizete Interpreta Vinicius (Copacabana) (10)
8. Et Maintenant - Gilbert Becaud (Odeon) (8) 28 wks
9. A grande revelação - Altemar Dutra (Odeon)
10. Eu, Miltinho (RGE) 
12 July 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro) 

1. Avanço - Tamba Trio [1] (Philips) (3)
2. Candelabro Italiano – Al di là (WB-Odeon) (1)
3. A swingin' safari - Bert Kaempfert (Polydor) (4) 21 wks
4. Peppino di Capri vol. 3 (Odeon) (6)
5. Pery é todo bossa - Pery Ribeiro (Odeon)

6. Elizeth interpreta Vinicius - Elizeth Cardoso (Copacabana) (7)
7. Hatari – Henry Mancini (RCA)
8. Sucessos de Ouro - Emilio Pericoli (WB-Odeon) (5)
9. Bossa Nova com Herbie Mann (Atco-Fermata) (2)
10. 'S Beat - Ray Conniff (CBS) 

19 July 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro)
1. Avanço - Tamba Trio [2] (Philips) (1)
2. Candelabro Italiano –  Al di là (WB-Odeon) (2)
3. A swingin' safari - Bert Kaempfert (Polydor) (3) 22 wks
4. 'S Beat  -  Ray Conniff (CBS) (10)
5. Hatari – Henry Mancini (RCA) (7)

6. Elizeth Interpreta Vinicius - Elizeth Cardoso (Copacabana) (6)
7. A Grande Revelação - Altemar Dutra (Odeon)
8. Bossa Nova com Herbie Mann (Atco-Fermata) (9)
9. Picture of Frank Sinatra - Oscar Peterson Trio (Verve-Copacabana)
10. Peppino di Capri vol. 3 (Odeon) (4)

26 July 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro) 
1. Avanço -Tamba Trio [3] (Philips)
2. Candelabro Italiano – Al di là (WB-Odeon) (2)
3. Hatari – Henry Mancini - sound-track (RCA) (5)
4. Pery é todo bossa - Pery Ribeiro (Odeon)
5. Sucessos de Ouro - Emilio Pericoli (WB-Odeon)

6. Bossa Nova com Herbie Mann (Atco-Fermata) (8)
7. A Grande Revelação - Altemar Dutra (Odeon) (7)
8. Eu, Miltinho (RGE)
9. A swingin' safari - Bert Kaempfert (Polydor) (3) 23 wks
10. Picture of Frank Sinatra - Oscar Peterson Trio (Verve-Copacabana) (9)

27 July 1963 - 'Revista do Radio' LPs + procurados (best selling albums in S.Paulo)

1. La Paloma - Billy Vaughn & His Orchestra (RGE)
2. 'S Voice - Ray Conniff (CBS)
3. Poly Show volume II - Poly & seu Conjunto (Continental)
4. Country style - Roger Williams (Kapp-Mocambo)
5. Recordar é viver Volume 3 - Altamiro Carrilho (Copacabana)

2nd August 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro) 
1. AvançoTamba Trio [4] (Philips) (1)
2. A bossa dos Cariocas (Philips)
3. Candelabro Italiano – Al di là (WB-Odeon) (2)
4. Pery é todo bossa - Pery Ribeiro (Odeon) (4)
5. Bossa Nova com Herbie Mann (Atco-Fermata) (6)

6. Sucessos de Ouro - Emilio Pericoli (WB-Odeon) (5)
7. Hatari – Henry Mancini (RCA) (3)
8. Swingin' Safari - Bert Kaempfert (Polydor) (9) 24 wks
9. Uma noite eletrizante - Gillespie Quintet (Verve-Copacabana)
10. Picture of Frank Sinatra - Oscar Peterson Trio (Verve-Copacabana) (10)

9 August 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro) 
1. Avanço - Tamba Trio [5] (Philips) (1)
2. A grande revelação - Altemar Dutra (Odeon) (7)
3. A bossa dos Cariocas (Philips) (2)
4. Candelabro Italiano – Al di là (WB-Odeon) (3)
5. Bossa Nova com Pedrinho Mattar (Fermata)

6. Picture of Frank Sinatra - Oscar Peterson Trio (Verve-Copacabana) (10)
7. Canta Nico Fidenco – Tutta la gente (RCA)
8. Bossa Nova com Herbie Mann (Atco-Fermata) (5)
9. Giants steps - John Coltrane (Atco-Fermata)
10. Hatari – Henry Mancini (RCA) (7)
16 August 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro) 

1. A bossa dos Cariocas - Os Cariocas (Philips) (3) 
2. Avanço - Tamba Trio (Philips) (1)
3. Candelabro Italiano – Al di là (WB-Odeon) (4)
4. Hatari – Henry Mancini (RCA) (10)
5. A grande revelação - Altemar Dutra (Odeon) (2)

6. Uma noit eletrizante - Dizzy Gillespie Quintet (Verve-Copacabana)
7. Johnny Hodges (Verve-Copacabana)
8. Dave Brubeck Quartet (CBS) 
9. Pery é todo bossa - Pery Ribeiro (Odeon)
10. Os Três Tons (Polydor) 

22nd August 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro) 
1. Avanço - Tamba Trio [6] (Philips) (2)
2. Hatari – Henry Mancini (RCA) (4)
3. A Bossa dos Cariocas -  Philips – (2)
4. Candelabro Italiano – Al di là (WB-Odeon) (3)
5. A grande revelação - Altemar Dutra (Odeon) (2)

6. Sonny Rollins - Modern Jazz Quartet (Atco-Fermata)
7. Sucessos de Ouro - Emilio Pericoli (Odeon)
8. Dizzy Gillespie Quintet (Verve-Copacabana)
9. A swingin' safari - Bert Kaempfert (Polydor)
10. Pery é todo bossa - Pery Ribeiro (Odeon)

30 August 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro)
1. AvançoTamba Trio [7] (Philips) (1)
2. A bossa dos Cariocas (Philips) (3)
3. Candelabro Italiano – Al di là (WB-Odeon) (4)
4. Hatari – Henry Mancini (RCA) (2)
5. Point of no return - Frank Sinatra (Capitol-Odeon)

6. A grande revelação - Altemar Dutra (Odeon) (5)
7. Pery é todo bossa - Pery Ribeiro (Odeon) (10)
8. Sonny Rollins with the Modern Jazz Quartet (Atco-Fermata) (6)*
9. Dizzy Gillespie Quintet (Verve-Copacabana) (6)*
10. Johnny Hodges (Verve-Copacabana)
31st August 1963 - 'Revista do Radio' LPs + procurados (best selling album in S.Paulo

1. Canta Nico Fidenco (RCA)
2. Barrabás  -  sound-track (Colpix-Copacabana)
3. Dos meus braços não sairás  -  Nelson Gonçalves (RCA)
4. Sòzinha  -  Edith Veiga (Chantecler)
5. As mil vozes de Oscar Ferreira  -  Oscar Ferreira (Odeon)

August 1963 (2nd fortnight) 'Radiolandia' best selling albums at Casa Carlos Whers: 

1. Avanço - Tamba Trio (Philips) 
2. Candelabro Italiano (Rome Adventure) - sound-track (WB-Odeon)
3. A bossa dos Cariocas - Os Cariocas (Philips)
4. Altemar Dutra (Odeon)
5. Pery Ribeiro (Odeon)

6. Sucessos de ouro - Emilio Pericoli (Ricordi-Chantecler)
7. Hatari - Henry Mancini (RCA)
8. A Swingin' Safari - Bert Kaempfert (Polydor)
9. ‘S Beat - Ray Conniff (Columbia)
10. Ed Lincoln seu piano e seu orgão espetacular (Musidisc)

6 September 1963 - 'Tribuna de Imprensa L.P.Branconnot (Rio de Janeiro) 
1. Avanço - Tamba Trio [8] (Philips) (1)
2. Uirapuru – Vozes da Amazônia - Johan Dalgas Frisch (Sabiá-Copacabana)
3. A bossa dos Cariocas - Os Cariocas (Philips) (2)
4. Candelabro Italiano – Al di là (WB-Odeon) (3)
5. Pery é todo bossa - Pery Ribeiro (Odeon) (7)

6. A grande revelação - Altemar Dutra (Odeon) (6)
7. Canta Nico Fidenco (Tutta la gente) (RCA)
8. Point of no return - Frank Sinatra (Capitol) (5)
9. Sonny Rollins - Modern Jazz Quartet (Atco-Fermata) (8)
10. Giant steps - John Coltrane (Atco-Fermata)
Look what they've done to my record, mama! An RGE Brazilian executive didn't think twice when he had to release Billy Vaughn's '1962's Greatest Hits' in mid-1963. He didn't have any qualms in doctoring the title and 'upgrading' it to the right time. 

7 September 1963 - 'Revista do Radio' LPs + procurados (best selling albums in S.Paulo

1. Os grandes sucessos de 1963 - Billy Vaughn (Dot-RGE)
2. A romântica Morgana (Copacabana)
3. Pery é todo bossa - Pery Ribeiro (Odeon)
4. Metais e vozes em festival - Severino Filho (Polydor)
5. Show de bossa - Corisco e os Sambaloucos (Philips)
13 September 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro) 

1. AvançoTamba Trio [9] (Philips) (1)
2. A bossa dos Cariocas - Os Cariocas (Philips) (3)
3. Órgão, percussão e samba 2º - Andre Penazzi (Audio Fidelity)
4. Tudo azul - Zé Maria (Continental)
5. Quand l’amour est mort - Gibert Becaud (Odeon)

6. Uirapuru – Vozes da Amazônia - Johan Dalgas Frisch (Copacabana) (2)
7. Petula Clark (Mocambo)
8. Hatari – Henry Mancini (RCA)
9. Brigitte Bardot (Maria Ninguém) (Philips)
10. A grande revelação - Altemar Dutra (Odeon) 

14 September 1963 -'Revista do Radio' LPs + procurados (best selling albums in S.Paulo)

1. Os grandes sucessos de 1963  -  Billy Vaughn (Dot-RGE)
2. Um sorriso, uma frase, uma saudade  -  Carlos Galhardo (RCA)
3. Sambas da madrugada  -  Isaurinha Garcia (Odeon)
4. A romântica  Morgana  (Copacabana)
5. Connie Francis canta  -  Connie Francis (MGM)
20 September 1963 -'Tribuna de Imprensa' - list built based on 27 September's last-week's position 

1. Samba esquema novoJorge Ben [1] (Philips)
2. ?
3. Tamba Trio – Avanço (Philips)
4. A grande revelação - Altemar Dutra (Odeon)
5. A bossa dos Cariocas -  Philips

6. Candelabro Italiano – Al di là (WB-Odeon) 
7. Petula Clark (Mocambo)

21st September 1963 - 'Revista do Radio' LPs + procurados (best selling LPs in S.Paulo

1. Isto é Lamartine - Os Rouxinóis (Copacabana)
2. Barrabas - sound-track (Colpix-Continental) 
3. Canzone italiana - Giuseppe di Stefano (Ricordi-Chantecler)
4. A romântica Morgana (Copacabana)
5. Não te esqueças de mim Tony Campello (Odeon) 
The liner notes say: Gravação comemorativa da 'Noite de Lamartine Babo' realizada no Teatro Municipal do Rio de Janeiro em 1 Agosto 1963. The great song-writer Lamartine Babo died 16 June 1963. Less than 8 weeks after, there was a great homage to the deceased at Rio's Theatro Municipal in which singing group Os Rouxinois sang part of his great legacy. 
Two bottle-blondes and two completely different styles. Isaura Garcia sings mostly swinging sambas while Morgana sings ballads and boleros. Isaura's album 'Sambas da madrugada' is based on Dora Lopes' 'Samba da madrugada' that was a hit single in 1962. Isaura also sings Menescau & Boscoli's 'Nós e o mar' and 'Ah! se eu pudesse' exactly like Maysa did in 'Canção do amor mais triste'. 
Bossa Nova kept on changing since its inception in 1958. Now it was getting closer to jazz in its instrumental phase. Hamilton Godoy on the piano play bossas and sambas. 
Tony Campello who had always played 2nd fiddle to his more famous sister Celly Campello, had the best year of his career in 1963 with 'Boogie do bebê' that went to #1. HIs album 'Não te esqueças de mim' however showed a tendency to cover Italian hits like 'Prêsa a um grãozinho de areia' (Legata a un granello di sabbia) and the album title 'Non ti scordar di me' 
Spanish bombshell Sarita Montiel still drew crowds to movie-houses all over Latin America. Every Sarita sound-track was sure fire to get to the charts. Hebe Camargo who started out as a singer in the 1940s went on to become a sort of Brazilian Dinah Shore with her own high-rating TV show on TV Paulista. Now at Polydor, Hebe recorded some covers and sold well among her viewers and fans. 
The Clevers were a sort of a phenomenon in Brazilian show business. They were Manito (saxophone), Netinho (drums), Mingo (rhythm-guitar), Risonho (lead-guitar) and Neno (bass). Five young me with an empathy and simpathy that took Brazilians by storm in their TV shows. Manito was a virtuoso on his saxophone. The Clevers would be the closest Brazilians would get to the British Fab4. Well, they didn't write their own material nor did they sing either but they could be extremely fun on the stage and out of it.  
Rinaldo Calheiros & Silvana had been at the top in 1962. In 1963, they went back to their individual career but neither got out of it. They had been a duo out of the blue. Rinaldo was married and Silvana was on the way to get married too. Rinaldo kept on pushing ahead as best as he could but I don't think he had a major hit after he left the duo. Silvana would muddle through 1963 and finally take a highter flight the next year. 
Classic-trained pianist Eudóxia de Barros plays Ernesto Nazareth's favourites. Folk singer Inezita Barroso sings marching-band ever-grees with Banda da Força Pública do Estado de São Paulo. 

27 September 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro) 
1. Samba Esquema Novo - Jorge Ben [2] (Philips) (1)
2. Tamba Trio – Avanço (Philips) (3)
3. A bossa dos Cariocas (Philips) (5)
4. Ray Charles entre nós - Ray Charles (Polydor)
5. A grande revelação - Altemar Dutra (Odeon) (4)

6. Candelabro Italiano – Al di là (WB-Odeon) (6)
7. Órgão, percussão e samba 2º - Andre Penazzi (Audio Fidelity) (10)
8. Peppino di Capri 3º. Volume - Odeon – (9)
9. Petula Clark (Mocambo) (7)
10. Canta Nico Fidenco (Tutta la gente) (RCA)

4 October 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro) 
1. Samba Esquema Novo - Jorge Ben [3] (Philips) (1)
2. Tamba Trio – Avanço (Philips) (2)
3. A grande revelação - Altemar Dutra (Odeon) (5)
4. Ray Charles entre nós - Ray Charles (Polydor) (4)
5. Hatari – Henry Mancini (RCA)

6. Mondo Cane - Riz Ortolani - sound-track (Fermata)
7. Candelabro Italiano – Al di là (WB-Odeon) (6)
8. Tony Renis (Odeon)
9. A bossa dos Cariocas - Os Cariocas (Philips)
10. O ilustre Noite Ilustrada (Philips)

5 October 1963 - 'Revista do Radio ' LPs + procurados (best selling albums in S.Paulo 

1. Rainha do Chantecler - Sarita Montiel (Hispa-Vox-Fermata)
2. Econtro com The Clevers - The Clevers (Continental)
3. Os Velhinhos Transviados fabulosos - Velhinhos Transviados (RCA)
4. Avanço - Tamba Trio (Philips)
5. Uma lágrima tua - Rinaldo Calheiros (Copacabana)

11 October 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot
1. Samba Esquema Novo - Jorge Ben [4] (Philips) (1)
2. Tamba Trio – Avanço (Philips) (2)
3. Ray Charles entre nós (Polydor) (4)
4. Peppino di Capri vol. 3 (Odeon)
5. Ernesto Nazareth ouro sobre azul -  Eudóxia de Barros (Chantecler)

6. Hatari – Henry Mancini (RCA)
7. Candelabro Italiano – Al di là (WB-Odeon) (7)
8. Petula Clark (Mocambo)
9. Um mundo de melodias - Frank Pourcel (Odeon)
10. Isto é Lamartine - Os Rouxinóis (Copacabana) 

12 October 1963 - 'Revista do Radio' LPs + procurados (best selling albums in S.Paulo)  

1. Vozes da Amazonia - Johan Dalgas Frisch (Sabiá-Copacabana)  
2. Eu, Miltinho (RGE)
3. Avanço - Tamba Trio (Philips)
4. A moça e a banda - Inezita Barroso (Copacabana)
5. Musica dentro da noite vol. 2 - Caçulinha (Chantecler)

18 October 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro) 
1. Samba Esquema Novo Jorge Ben [5] (Philips) (1)
2. Tamba Trio – Avanço (Philips) (2)
3. Um mundo de Melodias - Frank Pourcel (Odeon)
4. Ouro Sobre Azul - Musicas de Ernesto Nazareth - Eudoxia de Barros (Chantecler) (5)
5. A grande revelação - Altemar Dutra (Odeon)

6. Pery é todo bossa - Pery Ribeiro (Odeon)
7. A bossa dos Cariocas - Os Cariocas (Philips)
8. Uirapuru - As vozes da Amazônia -  Johan Dalgas Frisch (Copacabana)
9. Hatari – Henry Mancini - sound-track (RCA)
10. Mondo Cane - sound-track - Riz Ortolani (Fermata)

19 October 1963 - 'Revista do Radio' LPs + procurados (best selling albums in S.Paulo)

1. Eu, Miltinho (RGE)
2. A moça e a banda - Inezita Barroso (Copacabana)
3. Ciclo brasileiro - Anna Stella Schic (CBS)
4. Capricho - Osny Silva (Continental)
5. Um violão e suas épocas - Paulo Barreiros (Chantecler)

25 October 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro) 
1. A nova bossa nova de Roberto Menescal e seu conjunto [1] (Elenco)
2. Baden Powell (Elenco)
3. Samba esquema novo - Jorge Ben (Philips) (1)
4. Tamba Trio – Avanço (Philips) (2)
5. A bossa dos Cariocas (Philips) (7)

6. Living it up – Bert Kaempfert (Polydor)
7. Os grandes sucessos de Edith Piaf (Odeon)
8. Mondo Cane Riz Ortolani - sound-track (Fermata) (10)
9. A grande revelação - Altemar Dutra (Odeon) (5)
10. Isto é Lamartine -  Os Rouxinóis (Copacabana)

26 October 1963 - 'Revista do Radio' LPs + procurados (best selling albums in S.Paulo) 

1. Orgão, samba e percussão 2o. André Penazzi (Audio-Fidelity) 
2. Ouro sobre azul - Eudóxia de Barros interpreta Ernesto Nazareth (Chantecler)
3. A bossa dos Cariocas - Os Cariocas (Philips)
4. Capricho - Osny Silva (Continental)
5. Bossa Nova - Herbie Mann (Fermata)
Os Velhinhos Transviados (Naughty Old Men) was a one-man-band. Most of the instruments were played by old-timer José Menezes who had been a session-musician since the 1940s. He covered the most successful hits and sold like hot-cakes. Engineer-bird-enthusiast John Dalgas Frisch went to #1 for the 3rd time with his 3rd album. Italian rock bomb-shell Rita Pavone went #1 with teenagers all over Brazil. It was a fore-taste of what the Italian Invasion would be in the next 2 years. Organist André Penazzi is back at #1 with his 2nd album. 
Nico Fidenco charts with his 2nd album showing that Italian music had a lot of power in Brazil and South America. Ray Conniff was without a doubt the most popular foreign orchestra in Brazil. Billy Vaughn was the 2nd most popular; then came German band-leader Bert Kaempfert. Moacyr Franco had his best year in 1963 having had 2 albums at the top; this one had 'Doce amargura' (Ti guarderò nel cuore) that climbed to #1 in the singles chart immediately after being released showing how powerful a TV high-rating show could be. 'As 14 Mais' volume X featured 'Blame it on the Bossa Nova' with Eydie Gorme as the most popular track.
Big dancing parties in big halls were matter-of-fact events in the 50s and 60s. Everyone and his dog had a Junior's Prom or a debutant's coming out party or whatever. Big bands were still much revered and well paid. 'Meu baile inesquecível' (My unforgettable ball), an RGE compilation album using the best bands in the house. Band-leaders Pocho, Elcio Alvarez just poached from Chantecler, pianist & singer Dick Farney's own combo, Biriba Boys, Conjunto Arpége, Conjunto Ritmos OK, Luiz Loy and Casé & his combo play Brazilian as well American pop.

1st November 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro) 
1. A nova bossa nova de Roberto Menescal e seu conjunto [2] (Elenco) (1)
2. Trio Tamba – Avanço (Philips) (4)
3. Sylvia Telles (Elenco)
4. A bossa dos Cariocas (Philips) (5)
5. Românticos de Cuba no cinema vol. 4 (Musidisc)

6. Samba esquema novo - Jorge Ben (Philips)
7. A grande revelação - Altemar Dutra (Odeon) (9)
8. Uniquely Mancini - Henry Mancini (RCA)
9. Bags & Tranes - John Coltrane & Milt Jackson (Atco-Fermata)
10. História de Noel Rosa – Marilia Batista (Musidisc)

2nd November 1963 - 'Revista do Radio' LPs + procurados (best selling albums in S.Paulo)

1. ‘S Beat – Ray Conniff (CBS)
2. Canta Nico Fidenco (RCA)
3. Orgão, samba e percussão 2o. – André Penazzi (Audio-Fidelity)
4. Valsas de minha terra – Radamés Gnatalli (Continental)
5. O máximo no gênero – Miranda & seu Conjunto (Chantecler)

8 November 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro) 
1. A nova bossa nova de Roberto Menescal e seu conjunto [3] (Elenco) (1)
2. Trio Tamba – Avanço (Philips) (2)
3. Samba esquema novo - Jorge Ben (Philips)
4. Sounds Unlimited - Marty Gold (RCA)
5. New thresholds in sound - Sid Ramin (RCA)

6. Uniquely Mancini - Henry Mancini (RCA) (8)
7. A grande revelação - Altemar Dutra (Odeon) (7) 
8. A bossa dos Cariocas (Philips) (4)
9. Românticos de Cuba no cinema vol. 4 (Musidisc) (5)
10. Brigitte Bardot (Philips)

9 November 1963 - 'Revista do Radio' LPs + procurados (best selling albums in S.Paulo

1. As 14 mais vol. 10 - various (CBS)
2. Rita Pavone (RCA)
3. Valsas de minha terra – Radamés Gnatalli (Continental)
4. Romântico – Francisco Petrônio (Continental)
5. Other famous twists – The Jet Blacks (Chantecler)

15 November 1963 -'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro) 

1. Vinicius & Odete Lara [1] (Elenco)
2. Samba esquema novo - Jorge Ben (Philips) (3)
3. Tamba Trio - Avanço (Philips) (2)
4. A bossa nova de Roberto Menescal e seu conjunto (Elenco) (1)
5. Mondo Cane - Riz Ortolani - sound-track (Fermata)

6. Samba de boite - Conjunto CBS (CBS)
7. Oscar Castro Neves (Elenco)
8. Uniquely Mancini - Henry Mancini (RCA) (6)
9. Os anjos cantam vol. 2 (Uirapurú) - Nilo Amaro & seus cantores de Ébano (Odeon)
10. The Ventures (RCA)

16 November 1963 - 'Revista do Radio' LPs + procurados (best selling albums in S.Paulo) 

1. Rita Pavone (RCA)
2. Avanço - Tamba Trio (Philips)
3. Ritmo diferente - Albert Conrad (CBS)
4. Meu baile inesquecível - various instrumental combos - (RGE)
5. Meu amor é mais amor - Agnaldo Rayol (Copacabana)

22nd November 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro) 
1. A nova bossa nova de Roberto Menescal e seu conjunto [4] (Elenco) (4)
2. O grande intérprete - Carlos Alberto (CBS)
3. História musical de Noel Rosa por Marilia Batista (Musidisc)
4. Mensagem - Altemar Dutra (Odeon)
5. Baden Powell (Elenco)

6. Vinicius& Odete Lara (Elenco) (1)
7. Mondo Cane - Riz Ortolani (Fermata) (5)
8. 'S Rhythm - Ray Conniff (CBS)
9. Uniquely Mancini - Henry Mancini (RCA)– (8)
10. Miltinho e samba (RGE)
29 November 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro) 

1. A nova bossa nova de Roberto Menescal e seu conjunto [5] (Elenco) (1)
2. Uniquely Mancini  - Henry Mancini (RCA) (9)
3. Mensagem - Altemar Dutra (Odeon) (4)
4. História musical de Noel Rosa por Marilia Batista (Musidisc) (3)
5. 'S Rhythm - Ray Conniff (CBS) (8)

6. Baden Powell (Elenco) (5)
7. Mondo Cane - Riz Ortolani (Fermata) (7)
8. 'Hits' da Bossa Nova n. 2 - Philips (Luiz Henrique, Doris Monteiro etc.)
9. O grande intérprete - Carlos Alberto (CBS) (2)
10. Vinicius & Odete Lara (Elenco) (6)

30 November 1963 - 'Revista do Radio' LPs + procurados (best selling albums in S.Paulo)

1. Os incríveis The Clevers (Continental)
2. Show doçura – Moacyr Franco (Copacabana)
3. Avanço – Tamba Trio (Philips)
4. Romântico – Francisco Petrônio (Continental)
5. Sonata do amor divino – Alda Perdigão (RGE)
Alda Perdigão had been around since the early 1950s when she hit with a few 78 rpm singles for Carnaval like 'O casamento da princesa'. In 1963, Alda hit the big time with 'E agora?' translation of Gilbert Becaud's 'Et maintenaut'. Even though the Philips single reached the top of the charts Alda had already signed with RGE where she soon recorded Luiz Vieira's 'Sonata do amor divino'. The album shows Alda as a 'middle of the road' singer going from the sublime (Paulo Vanzolini or Luiz Vieira's songs) to the ridiculous (bad covers like 'Hurt'-'Magoada').
The incredible Clevers were the hottest act in show business in the 2nd part of 1963. They had topped the singles'charts with 'El relicario' and followed it up with 'Maria Cristina'. Their debut album 'Encongtro com The Clevers' went to #1 and barely 3 months later Continental Discos released their 2nd LP 'Os incríveis The Clevers' featuring 'Il tangaccio' that went straight to #1 in the singles' charts.
'Other famous twists' was The Jet Blacks' 3rd album in less than 18 months. They had been the first instrumental rock combo to get everyone's attention. Gato, its lead-guitarrist was perhaps the best guitar player around but The Jet Blacks lost their 'pole-position' to the younger Clevers who had Manito and his wonderful saxophone as a 'main attraction'. 

8 December 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro) 
1. A nova bossa nova de Roberto Menescal e seu conjunto [6] (Elenco) (1)
2. Uniquely Mancini - Henry Mancini (RCA) (2)
3. Avanço - Tamba Trio (Philips)
4. A bossa dos Cariocas (Philips)
5. Mensagem - Altemar Dutra (Odeon) (3)

6. O grande intérprete - Carlos Alberto (CBS) (9)
7. História musical de Noel Rosa por Marilia Batista (Musidisc) (4)
8. 'S Rhythm - Ray Conniff (CBS) (5)
9. Mondo Cane - Riz Ortolani - trilha-sonora (Fermata) (7)
10. Samba esquema novo - Jorge Ben (Philips)

13 December 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro) 
1. Vinicius & Odete Lara [2] (Elenco)
2. Mensagem - Altemar Dutra (Odeon) (5)
3. A nova bossa nova de Roberto Menescal e seu conjunto (Elenco) (1)
4. Uniquely Mancini - Henry Mancini (RCA) (2)
5. Jazz Samba - Stan Getz & Luiz Bonfá (Odeon)

6. A meiga Elizeth vol. 4 - Elizeth Cardoso (Copacabana)
7. A harpa e a cristandade – Luis Bordon (Chantecler)
8. O grande intérprete - Carlos Alberto (CBS) (6)
9. Avanço - Tamba Trio (Philips) (3)
10. Samba esquema novo - Jorge Ben (Philips) (10)

14 December 1963 - 'Revista do Radio' LPs + procurados (best selling albums in S.Paulo)

1. Hits da Bossa Nova – various (Philips)
2. Os incríveis The Clevers (Continental)
3. Os anjos cantam – Volume 2 – Nilo Amaro & seus Cantores de Ébano (Odeon)
4. Longe de você – Waldir Azevedo (Continental)
5. Eu e meu amigo violão – José Rastelli (Chantecler)
Bossa Nova sold a lot of albums. Philips was at the forefront of the Bossa Nova revival with Tamba Trio, Os Cariocas, Sylvia Telles, Baden Powell, Sergio Mendes etc. Fermata a small-sized label that distributed US ATCO's records releases 'Bossa Nova com Herbie Mann' and sold well too. Chantecler found a little gold mine with folk singer Ely Camargo with her 1st 'Canção de minha terra'.

20 December 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro) 
1. A nova bossa nova de Roberto Menescal e seu conjunto [7] (Elenco) (3)
2. A Harpa e a Cristandade – Luis Bordon (Chantecler) (7)
3. Românticos de Cuba Internacional (Musidisc)
4. Mensagem - Altemar Dutra (Odeon) (2)
5. Samba esquema novo - Jorge Ben (Philips) (10)

6. Avanço - Tamba Trio (Philips)(9)
7. Mais bossa dos Cariocas (Philips)
8. Mancini Our Man In Hollywood - Henry Mancini (RCA)
9. Historia musical de Noel Rosa por Marilia Batista (Musidisc) 
10. Isto é Lamartine - Os Rouxinóis (Copacabana)
26 December 1963 - 'Tribuna de Imprensa' L.P.Branconnot (Rio de Janeiro) 

1. Mensagem - Altemar Dutra [1] (Odeon) (4)
2. Samba esquema novo - Jorge Ben (Philips) (5)
3. Moacyr Franco (Copacabana)_
4. A nova bossa nova de Roberto Menescal e seu conjunto (Elenco) (1)
5. Sérgio Ricardo (Elenco)

6. A Harpa e a Cristandade – Luis Bordon (Chantecler) (2)
7. Canção do nosso amor - Miltinho (RGE)
8. Bossa Nova Jazz Samba - The Bossa Nova Jazz Quartet (Nilser)
9. Isto é Lamartine - Os Rouxinois (Copacabana) (10)
10. A meiga Elizeth n. 4 - Elizeth Cardoso (Copacabana)
December 1963 - 'Revista do Radio' (18 January '64) best selling albums in S.Paulo   

1. ‘S Beat - Ray Conniff (CBS)
2. Moacyr Franco (Copacabana)
3. Sinos de Belém - John Klein (RCA)
4. Afinal... Alaíde Costa (Audio Fidelity)
5. Mensagem - Altemar Dutra (Odeon) 


4 January 1964 - 'Revista do Radio' LPs + procurados (best selling albums in S.Paulo)

1. Sonhar contigo - Adilson Ramos (RCA)
2. Great best sellers – Continental Orchestra (Continental)
3. Hits da Bossa Nova – various (Philips)
4. Boleros - Orquestra Violinos de Ouro (Odeon)
5. Canções da minha terra – Ely Camargo (Chantecler)



1963 best selling albums according to Rio de Janeiro's newspaper 'Tribuna de Imprensa' weekly Album charts:

1. Tamba Trio (Philips)  #1 for 10 weeks;
2. Et maintenant - Gilbert Becaud (Odeon)  #1 for 10 weeks, too;
3. A nova bossa nova de Roberto Menescal e seu conjunto (Elenco)  #1 for 7 wks:
4. Avanço - Tamba Trio (Philips)  #1 for 5 wks;
5. Samba esquema novo (Philips)  #1 for 5 wks, too;

6. Vinicius & Odete Lara (Elenco)  #1 for 2 wks;
7. Quand l'amour est mort - Gilbert Becaud (Odeon)  #1 for 2 wks, too;
8. 'Minha querida Lady' with Bibi Ferreira & cast (CBS) #1 for 1 wk;
9. Peppino di Capri vol. 2 (Odeon)  #1 for 1 wk;
10. Mensagem - Altemar Dutra (Odeon) was #1 for 1 wk;
11. Ed Lincoln seu piano e seu orgão espetacular (Musidisc) #1 for 1 wk. 

Comments in Portuguese about the 'Tribuna de Imprensa' 1963's album charts:

Comentários sobre a Parada de LPs do jornal carioca 'Tribuna de Imprensa' de 1963:

Como já comentado anteriormente, a moderna musica italiana começa a penetrar no mercado fonográfico brasileiro em 1º de setembro de 1962, com o LP de Peppino Di Capri, que vinha meio na onda internacional do twist. Duas semanas depois entra o LP Nico Fidenco, contendo ‘Legata a un granello di sabbia’ *Presa a um grãozinho de areia), o primeiro grande sucesso italiano aqui.

Note que essa era a segunda invasão italiana ao Brasil, já que a primeira fora aquela capitaneada por ‘Volare’ (Nel blu dipinto di blu) em 1958, mas que teve fôlego curto, diferentemente da 2ª que durou cinco anos ou mais.

Em 9 de junho de 1963 aparece o LP da trilha-sonora do filme Candelabro Italiano’ (Rome adventure), com ‘Al di là’ como carro-chefe. Pronto, a invasão estava armada. Na semana seguinte entra o magnífico Sergio Endrigo, destacando-se ‘Io che amo solo te’ e ‘Se le cose stanno così’.  Veja só a parada, parecia que estávamos em Roma ou Milão

29 e 30 de Junho de 1963  – L.P.Branconnot

1. Candelabro Italiano – Al di là (sound-track) WB-Odeon (1)
2. A Swingin' Safari  - Bert Kaempfert (Polydor) (2) 19  wks
3. Sucessos de ouro - Emilio Pericoli (Odeon)
4. Trio Tamba Trio (Philips) (3) 29 weeks  
5. Vozes da Amazônia – Uirapuru - Johan Dalgas Frisch (Sabiá-Copacabana)

6. Peppino di Capri vol. 3 (Odeon) (4)
7. Sergio Endrigo (RCA) (9)
8. Et maintenant - Gilbert Becaud (Odeon) (5) 27 wks
9. Quand l'amour est mort - Gilbert Becaud (Odeon) (7)
10. Elizete interpreta Vinicius - Elizeth Cardoso (Copacabana) (8)

A invasão foi completa. Emilio Pericoli, interprete de ‘Al di là’, ocupava o 3º lugar com ‘Grandes Sucessos’, Peppino Di Capri emplacava seu 3º lançamento. Até hoje se encontra muitos LPs de Peppino di Capri nos sebos de São Paulo; o LP do Sergio Endrigo também é fácil de se encontrar e os dois primeiros LPs de Nico Fidenco aparecem por todo lado.

Daí até o aparecimento da Rita Pavone em outubro de 1963 foi só um passo.  Pena que o articulista da Tribuna não gostasse (suponho eu) da Pavone, pois o LP dela não aparece em nenhuma colocação durante o ano de 1963, e eu sabe-se esse LP foi muito vendido, inclusive aparecendo em 1º lugar na Parada da Revista do Rádio, seção São Paulo.

Apesar de eu nunca ter morado no Rio, eu sei que Rita Pavone fez muito sucesso aí tb. por causa do fã-clube carioca, que era imenso. Jorge Nova, um dos maiores fãs da Pintadinha morava em Santo Cristo, e eu o visitei várias vêzes entre 1967 e 1969.
1963 começa com a gravação nacional do elenco de ‘Minha querida lady’ (My fair lady) encabeçado pela grande Bibi Ferreira, Paulo Autran e Jayme Costa. Eu tenho esse LP, e parece que deve ter vendido bem, pois vira-e-mexe, eu o vejo por aí.

A bossa-nova instrumental estava pegando fogo, com Herbie Mann pela Fermata, Luiz Bonfá na Odeon e Tamba Trio, com seu 1º LP, em absoluto primeiro lugar por muitas semanas.  A Masterplay (v. conhece que gravadora é essa? Perdoe minha ignorância) tinha ‘Bossa Nova nos States’, por um tal de Juarez. RCA aparecia com Sexteto de Jazz Moderno/Bossa Nova.  A Philips trazia ‘Hits da Bossa Nova’ e até a desconhecida [?] Plaza lançava ‘Bossa Nova Espetacular’. Não se esqueça que a bossa-nova tinha conquistado o publico nova-yorkino que lotou o Carnegie Hall numa memorável noite de quarta-feira, dia 21 de Novembro de 1962. Só mesmo a bossa-nova para ‘conquistar o mundo’ numa quarta-feira.

Ed Lincoln, com seu ‘sambalanço’ continuava firme pela Musidisc. Concorrendo com o Lincoln, ‘Órgão, Percussão e Samba 2º’ da Audio Fidelity.  Quem é o organista no caso? Seria o André Pennazzi? Fico esperando resposta sua.  V. sabe que eu não sei muito de musica instrumental.

No dia 7 de Julho de 1963 entra Altemar Dutra na parada pela primeira vez com seu LP ‘A grande revelação’. Altemar representava um ‘passo a frente’ do bolero-samba-canção. Muito bem produzido pela equipe da Odeon, interpretando músicas da conceituada dupla Evaldo Gouveia & Jair Amorim. Altemar não caía no desbragado ‘brega’, mas mantinha uma linha sóbria de boleros, samba-canções e marchas-rancho.

O genial maestro Henry Mancini vendia dois LPs simultâneamente. A trilha-sonora de ‘Hatari’ (que continha o famoso ‘Passo do elefantinho’) e o tema da série televisiva ‘Peter Gunn’, que revolucionou o mundo de quem tocava guitarra elétrica. John Barry, que viria nos próximos anos, nitidamente se inspirou em ‘Peter Gunn’ para compor a maioria das trilhas-sonoras dos filmes britânicos do agente James Bond. Todo conjunto instrumental de rock que se preze gravou ‘Peter Gunn’.

No final de agosto, Os Cariocas, conjunto vocal formado há mais de uma década, aderia totalmente à bossa-nova e alcançam o  lugar com ‘A bossa dos Cariocas’, pela Philips. Pery Ribeiro tb. se ‘bossifica’ e vende bem com seu  ‘Pery é todo bossa’, pela Odeon. Eu tenho impressão que a primeira gravação de ‘Garôta de Ipanema’, está nesse LP. 

No dia 13 Setembro 1963 aparecem LPs de Petula Clark (britânica que  canta em francês e inglês) pela Mocambo e de Brigitte Bardott, francêsa cantando em português. Da Petula eu não me lembro em absoluto, mas da BB ninguem poderia esquecer sua interpretação de 'Maria Ninguém'. BB além de ser linda cantava bem.

Na semana seguinte, 20 setembro 1963 acontece uma revolução: Jorge Ben e seu LP ‘Samba esquema novo’, da Philips, toma o Brasil de assalto e vai p’ro  lugar absoluto. Todo mundo canta ‘voxê’ de agora em diante.  Ben soube aproveitar a fama da bossa-nova no exterior (e localmente) e fêz sua própria BN. Embora Jorge tenha lançado dezenas de LPs durante sua longa carreira, não há nenhum que consiga suplantar seu primeiro.

Nico Fidenco lança novo LP com ‘Tutta la gente’. Tony Renis vende bem pela Odeon. A trilha-sonora do filme italiano ‘Mondo cane’ aparece na listagem, mas é a gravação de Moacyr Franco, ‘Doce amargura’,  versão em português de ‘Ti guarderó nel cuore’ , tema-principal de ‘Mondo cane’, que alcança o 1º lugar e talvez seja a melhor gravação das dezenas feitas pelo mundo todo. 

Na ultima semana de outubro e inícios de novembro de 1963 dá a ‘louca’ na Parada da Tribuna, e a gravadora independente Elenco toma de assalto a parada com cinco LPs diferentes.

O conjunto de Roberto Menescal fica em 1º lugar, vindo Baden Powell logo no 2º posto. Na semana seguinte entra Sylvia Telles.  Duas semanas depois, 15 Novembro 1963, o LP de Odette Lara & Vinícius de Moraes está em 1º lugar, vindo Oscar Castro Neves em 6º lugar. A Elenco emplacava quase que seu catálogo inteiro. Isso tudo sem ‘aviso’, sendo que os LPs caem do 1º lugar para o ‘limbo’ no passar de uma semana. Uma ‘parada’ totalmente errática e imprevisível, dependendo do capricho de seu ‘fabricador’.

A Elenco fora fundada pelo grande Aloysio de Oliveira, que tinha sido diretor-artístico da Odeon desde 1956, ano que retornou ao Brasil depois de ter vivido nos USA desde 1940, quando p’ra lá fora com Carmen Miranda. Aloysio foi instrumental no lançamento de ‘Chega de saudade’ com João Gilberto, em 1958, dando assim início à tal de bossa-nova.

Isso até chegar 22 de Novembro de 1963, dia do assassinato de John Kennedy em Dallas, Texas. O cantor de boleros Carlos Alberto, ‘cria’ da CBS para competir com Altemar Dutra ('A grande revelação'), da Odeon, entra já em 2º lugar com o LP ‘O grande intérprete’. Carlos Alberto seria a antí-tese de Altemar. Voz chorosa e interpretação dramática, com quase 100% de versões de boleros latino-americanos. Apesar de tudo, a produção era impecável, com arranjos orquestrais dos mais elaborados, feitos por Alexandre Gnatalli, irmão do Radamés. Sucesso absoluto. E toma lágrimas e choro.

E assim, nessa nota chorosa vamos ficando com o incrível ano de 1963. Como poderia se definir esse ano? Eu diria que foi o ano da invasão da musica italiana, consolidação incontestável da bossa-nova e o aparecimento do ‘novo-brega’, muito embora essa palavra só viesse a existir nos anos 90. Jorge Ben foi o que de melhor aconteceu no campo individual.

E assim terminamos essa série de 3 artigos sobre a Parada de LPs dos anos de 1962 e 1963 da Tribuna de Imprensa. Gentileza de Marcia Espindola, sem cujo trabalho não haveria essa compilação.

comentários de GABRIEL GONZAGA sobre a Parada de LPs da 'Tribuna de Imprensa' de 1963

Oi Lu!  July 2010.

Copiei as listas q vc me mandou e agora to em casa, sábado a noite, pronto a pôr pra fora as considerações q fui tirando durante a semana sobre o assunto, principalmente no quesito música moderna. Acabei de fazer faxina e é engraçado como a casa fica mto mais aconchegante, mais, digamos, inspiradora. Ela estando organizada, parece q a cabeça segue o mesmo fluxo. Vamos lá então!

Tribuna da Imprensa – Parada 1963

5 e 6 de Janeiro de 1963 – L.P.Branconnot

1. Minha querida ladyBibi Ferreira, Paulo Autran (CBS) (1)
2. Ed Lincoln seu piano e seu orgão espetacular (Musidisc) (3)
3. Modern sounds - I can't stop loving you - Ray Charles (Polydor) (7)
4. Tamba Trio (Philips) (2)
5. Bafo da Onça no. 3 (Mocambo)

6. Impossivel ver o nome da música
7. Nico Fidenco (RCA) (5)
8. Et maintenant - Gilbert Becaud (Odeon) (4)
9. Peppino di Capri vol. 2 (Odeon) (6)
10. Amor Sublime Amor – (West Side Story) - sound-track (CBS) 

O “My Fair Lady” fez um extraordinário sucesso aqui no Rio. Percebo q a cena teatral carioca era essencialmente de curta duração. Era comum vc ter várias montagens de Tchekov ou Pirandello (subentende-se preocupação com qualidade), mas q ficavam um mês apenas. Talvez fosse só o tempo de retornar o investimento e sair viajando ou abandonar, no caso de um fracasso de bilheteria ou crítica. Bibi e sua turma ficaram meses e meses. Até a capa do LP é igual ao do disco original. Um indício d q o Brasil comportava e precisava de produções maiores e mais profissionais.

Depois do “Skindô”, q fez um baita sucesso aki, pq lá fora foi um fiasco, veio o Tio “Sam...ba”, q não foi lá dessas coisas. Eles acharam q fazer grandes musicais era como colocar Fusca na praça (parafraseando Elis). Depois desse, fizeram um chamado “Sambamba”. Olha q horror, a começar pelo título. Tinha Cyro Monteiro, Elizeth (já era tempo do Bossaudade?), Jorge Veiga. Mas não aconteceu e, apesar de tentarem vender essa meleca lá fora, voltou com um baita prejuízo. Fizeram uma grande produção com a vida do Lamartine Babo, “O Teu Cabelo Não Nega”, q teve uma boa aceitação, creio q mais pelo apreço q se tinha ao homenageado. Meia dúzia d viagens depois, tbm acabou.

O Bafo de Onça foi uma espécia d bloco, parecido com o Bola Preta, q veio não sei d onde. O principal samba deles (Nessa onda q eu vou/Olha a onda Iaiá/É o Bafo da Onça/Que acabou de chegar) é cantado até hj no carnaval carioca. Ouvi mto isso no carnaval. Fizeram tbm um grande espetáculo homônimo, q foi o primeiro trabalho da Marly Tavares depois do Skindô. Skindô. Não lembro o q aconteceu... Disco super justificado na parada.

19 e 20 de Janeiro de 1963 – L.P.Branconnot

1. Ed Lincoln seu piano e seu orgão espetacular (Musidisc) (8)
2. Peppino di Capri vol. 2 (Odeon) (1)
3. Bossa Nova nos States - Juarez (Masterplay)
4. Nico Fidenco (RCA) (2)
5. Tamba Trio (Philips) (3)

6. Minha Querida Lady - Bibi Ferreira, Paulo Autran & Jaime Costa (CBS) (4)
7. Sarah Vaughn e violinos (Mercury-Philips) (7)
8. Sexteto de Jazz Moderno – Bossa Nova (RCA)
9. Crying blues - Ray Charles (Albatroz)
10. A Swingin' safari - Bert Kaempfert (Polydor)

Agora é q o bicho pega. Vamos discursar um pouco (mais uma vez) sobre o desenvolvimento da música moderna.

Em 1958, a BN chega a Sampa, e em 1959 no Rio, certo? Isso é a gente q sabe. Essa tal novidade ainda não tinha uma forma definida. O João implantou akela estética, digamos, minimalista, q foi adaptada d diversas formas, por várias gravadoras, gerando vários subprodutos parecidos entre si e q lembravam vagamente a proposta do ‘Chega de Saudade’. Lembrando apenas q não coloco nesse balaio a própria música do João, q é u’a coisa a parte. Na esteira do sucesso do João, Deus-e-o-mundo grava essa música diferente, mesmo q as gravações ainda rescendam a samba tradicional. Comercialismo mesmo. Mas como toda moda, a coisa passa e o q fica começa a se cristalizar.

Em 1960, os aproveitadores já caíram fora e vc já tem mais definido quem são os “cantores BN”. E nisso, os arranjos tbm começam a tomar mais forma. A Odeon continua com akele som massudo, cheio de violinos e trombones, embora o ritmo já esteja um pouco mais enxuto. Mas tem uma grande virada aí: mais uma vez o Aloysio de Oliveira. Engraçado como ninguém fala sobre sua passagem por essa etiqueta. Parece q a Elenco surgiu do nada. Ele sai da Odeon e vai p’ra Philips, onde a coisa começa a ganhar contornos p’ra valer.

Não sou mto fã do trabalho do maestro Carlos Monteiro de Souza, pois ele conseguia ser ótimo e péssimo num mesmo disco. Foi ali q se percebeu q o canto não precisa de tudo akilo, q o cantor pode e deve ser acompanhado por um conjunto, mais de acordo com o espírito da coisa. Akela velha história de autenticidade. E na Philips vc tem a primeira grande “aula”, q é um disco chamado “Bossa Nova Mesmo”, resultado da uma cisão dentro dakela turma, se não me engano, do Bôscoli com o Menescal. Cada um foi p’r’um lado e p’r’ uma gravadora com uma turma diferente. Lá estão Carlos Lyra, Sylvinha, Lúcio Alves, Vinícius, uma “quem-é-essa” chamada Laís (q descobri depois chamar-se Barreto).

O trunfo é o acompanhamento, q é do conjunto do Oscar Castro NevesNós q estamos acostumados com a coisa já mais elaborada, percebemos q eles ainda tinham mto q melhorar, principalmente o baterista, o q faz com q o disco seja meio chato, embora seja até q bonzinho. Ao invés d ter uma orquestra contornando o canto, vc tem simplesmente percussão, bateria, piano pontuando alguns acordes e violão, q pela primeira vez sobe ao primeiro plano. E algumas intervenções da flauta ou do fagote (no caso específico do conjunto do Oscar), ao invés dakeles trombones harmonizados.

Sacou a diferença? A crítica amou o disco, ganhou 5 estrelas do Sylvio Tullio e definiu parâmetros. O Carlos Monteiro de Souza costumava acrescentar um coro excelente (o q era d se esperar, pois ele era regente e arranjador do coro da Rádio Nacional [sim, a Rádio Nacional tinha um regente e arranjador só p’ro coro, fora os ensaiadores, copistas e demais] e introduziu o acordeom nessa salada. O Sylvio Tullio odiou, dizia q acordeom não podia acompanhar qlqr modalidade de samba, apenas ritmos regionais. Eu sempre achei ótimo.

O primeiro LP do Carlos Lyra é um bom exemplo. Nesse disco em específico, quem o acompanha  o Conjunto OK, do violonista José Menezes, q ainda é vivo e já passa dos 90 anos. Os discos da Sônia Delfino são excelentes. Com todo o respeito, os rocks dela não são, digamos, débeis musicalmente e as BNs são perfeitas, com td no seu lugar, td arranjado com bastante criatividade. O disco q Sylvia e Lúcio fizeram lá, eu acho fraquinhos. E os dois tem coisas ótimas e outras muito feias. Bem, o maestro não podia se repetir ad infinitum, não é? Mas nessas invenções, ele errava a mão... As outras gravadoras entenderam q a coisa podia ser mais simples, mas o ritmo q faziam era sempre tão quadrado, q suspeito q estavam mesmo é tentando imitar o sambalanço, q sem dúvida fazia mais sucesso e vendia mais.

Agora, voltando a parada. De 1958 a 1962, a BN se desenvolveu e se modificou bastante, com direito a explosão dakele disco da Maysa [‘Barquinho'], q não gosto nem um pouco principalmente por ela.

Pausa p'ra falar desse disco. Q estranho ele é!  Dois-terços do Trio Tamba estão ali, mas a música parece dakeles conjuntos d dança de ‘59. E quem está no piano no lugar do Luiz Eça?  É logo o Luiz Carlos Vinhas! Não tem o menor gás. No ‘Barquinho’, o baixo, q é um dos principais instrumentos d ritmo, faz uma linha q tira todo o balanço da música, sem contar a interpretação dela. E o incrível é q tem lá uma música chamada “Maysa” q é um perfeito samba-canção, q inclusive foi gravado do mesmíssimo jeito como se gravaria em 59. Bem, tem aí um gancho p’ra falar de vez do Tamba.

Eles eram anos-luz a frente no quesito técnico e sabiam o q estavam tocando, conheciam e compunham coisas. O primeiro LP deles é nada mais, nada menos q BN na sua forma mais simples em instrumental. O consumo desse disco é relativamente fácil, pois é uma releitura dakilo q já vinha sendo cozinhado e testado há anos, mto embora suas “diretrizes” tenham sido solidificadas apenas em 1960, com toda essa história da Philips. Quantos discos já não tinham feito de intrumentais d músicas de sucesso? Só q o foco era a música de um determinado estilo, q vinha se firmando e fazendo relativo sucesso. Mas aí entra o gênio criativo do Luiz Eça, q estava impressionando tudo e todos desde 1954, pelo menos. Além do disco soar super autêntico, é mto bom tecnicamente, cheio de energia. Naturalmente, não é um disco dançante, mas p’ra ser, ahá, comprado e apreciado em casa.

Um outro chute. As gravações q a música moderna vinha recebendo eram geralmente, digamos, barulhentas, não é? Com a chegada da Philips ela fica mais soft. A transformação dessa música em intrumental, deixa td ainda mais soft. Arrisco q foi aí q a BN ganha o conceito de easy-listening”. Não estou falando ainda de João Gilberto, yes? Sem contar q os cantores tinham sucesso e estilo passageiros, ficavam datados no tempo. O disco do Tamba faz com q ela perdesse o vínculo com seu tempo. Disco poderoso demais p’ra não fazer sucesso, não é? Com o sucesso, eles acabaram ficando esnobes. O cachê deles se tornou uma verdadeira fortuna, coisa só p’ro bico do Noite de Gala, e olhe lá. E o Luiz Eça, q tinha grande conceito no meio artístico, ganhou carta branca da Philips. E ele deitou e rolou.

Veio o segundo disco, q é mto diferente do primeiro. O “Avanço” é mais agressivo e praticamente todo cantado. Ao invés de algumas intervenções vocais como antes, os solos super-clean do Bebeto viraram vocais em harmonizações altamente complexas. Ou seja, todo o conceito q eles criaram no ano anterior foi p’ro espaço. Luiz Eça cria mto sobre as músicas e frequentemente elas ganham outro andamento, modulam de tom etc. O “Só Danço Samba” tem uma releitura surreal, diferente de tudo q vc já ouviu. É um disco bem mais sofisticado e evoluído q o outro, mas a crítica não curtiu mto, embora, como a parada ateste, tenha vendido bem. Lembra bastante o espetacular do Jongo Trio, q foi recebido com muito entusiasmo. Mas o Jongo já fazia samba no prato, característica bem evidente do bossa-jazz, q só foi acontecer ali em 1964.

Agora esse disco ‘Bossa Nova nos States’, do Juarez Moreira é um mistério. Ele realmente vendeu horrores, já encontrei mais de um cronista falando isso, mas não tem nada de mais. Ele é saxofonista e sola as melodias e improvisa até q pouco. O instrumental tentou seguir as lições que a Philips vinha passando, mas o resultado ainda assim é bem quadrado. É um disco meio dançante, é só o q justifica essa venda.

Quanto ao Sexteto de Jazz Moderno, pode riscar. O disco todo tem 6 faixas, todas tem mais de 6 minutos e é um disco de BN com o conceito musical do jazz. Exposição do tema, improviso livre dos músicos, volta ao tema e encerra. Até o baixo faz walking bass, q eh akela linha constante típica do jazz. Nada radiofônico, até chatinho. Mas é curioso, pois ele não é um disco de bossa jazz. Bossa jazz é uma coisa diferente, própria. Já esse disco em questão é o conceito jazz aplicado a bossa nova. A diferença de um conjunto-de-estúdio para um Trio Tamba é gritante, por mais q os músicos desses ‘fantasmas’ sejam de primeiro time. O resultado sempre deixa a desejar

Repare bem aki:

26 de Abril de 1963 – L.P.Branconnot

1. Et maintenant - Gilbert Bécaud  [7] (Odeon) (2) 18 wks
2. Nico Fidenco (RCA) (3)
3. All Star Festival  -  various (Philips) (7)
4. A Swingin' Safari - Bert Kaempfert (Polydor) (4)
5. Tamba Trio (Philips) (1) 20 wks 
6. Lover (Nilser)

7. Peppino di Capri vol. 2 (Odeon)
8. Ed Lincoln seu piano e seu orgão espetacular (Musidisc)
9. Isto é bossa nova mesmo (Pawal)
10. Hebe Camargo e vocês (Polydor) (8)

10 de Maio de 1963 – L.P.Branconnot

1. Tamba Trio [5] (Philips) (5) 22 wks
2. Et maintenant - Gilbert Becaud (Odeon) (1) 20 wks
3. All Star Festival  - various (Philips) (3)
4. A Swingin' Safari - Bert Kaempfert  -  Polydor – (4)
5. ‘Hits’ da Bossa Nova (Philips)

6. Bossa Nova Espetacular - Plaza
7. Ray Charles Story vol. 2 (Atco-Fermata)
8. Ed Lincoln seu piano e seu orgão espetacular (Musidisc) (8)
9. Nico Fidenco (RCA)
10. Não houve o décimo lugar

O poder de fogo dessas gravadoras pequenas q faziam música p’ra vender deve ser respeitado. Elenco e Forma não entram nesse time, hein! Além de serem discos baratos, supria a vontade imediata das pessoas d consumir determinada coisa. Várias tinham eskema porta-a-porta. Como esses dois entraram e sumiram, dá p’ra farejar q tenham figurado na lista a pedido do produtor, não é? Mas notou q até o momento nenhum disco dessas gravadoras entrou? Pq eles “pediriam” p’ra colocar logo duas coisas tão estranhas? Ou seja, desconfio q sejam discos legítimos, q tenham vendido mesmo.

N.B.: ‘Hits’ da Bossa Nova, da Philips contem:  Tamba Trio, Carlos Lyra, Lúcio Alves, Sylvia Telles, Baden Powell, Sérgio Mendes e Sonia Delfino e as músicas:  'Samba de uma nota só', 'Desafinado', 'Meditação', 'Outra vez', 'Quem quiser encontrar o amor', 'Do jeito que a gente quer', 'Samba triste', 'Nós e o mar', 'O amor e a rosa', 'Improviso em Bossa Nova', 'Corcovado', 'Tristeza de nós dois', 'O barquinho' e 'Chora tua tristeza'.
14 de Junho de 1963 – L.P.Branconnot

1. Et maintenant - Gilbert Bécaud [10] (Odeon) (1) 25 wks
2. A Swingin' Safari - Bert Kaempfert (Polydor) (5)
3. Tamba Trio (Philips) (2) 27 wks
4. Dancing In Wonderland – Bert Kaempfert (Polydor) (3)
5. Ed Lincoln seu piano e seu orgão espetacular (Musidisc) (7)

6. Quand l'amour est mort - Gilbert Becaud (Odeon) (4)
7. Modern sounds vol. 2 - Ray Charles (Polydor)
8. Órgão, samba e percussão - André Penazzi (Audio Fidelity)
9. Sergio Endrigo (RCA)
10. Vozes da Amazônia - Johan Dalgas Frisch (Copacabana)

Sim, “Órgão, samba e percussão” é o André Penazzi. Ele atua desde os anos ‘40 e achou a mina de ouro com essa série. O problema é q o órgão dele não é o balançado do Celso Murilo, do Ed Lincoln, mto menos do Walter Wanderley. É akele chatíssimo órgão-que-fala, como o do Lafayette. Orgulho-me de não ter nenhum disco dele, pq já os ouvi e são mto ruins. E olha q é Audio Fidelity, q infelizmente não sei apontar qndo começou a gravar música brasileira. Aliás, tbm não sei qndo ela aportou no Brasil. Só sei q ela gravou coisas excelentes e, definitivamente, André Penazzi não foi uma delas. E depois ele foi macular o catálogo da Som Maior... É um sem-vergonha mesmo...

2 de Agosto de 1963 – L.P.Branconnot

1. Avanço - Tamba Trio [4] (Philips) (1)
2. A bossa dos Cariocas  -  Philips
3. Candelabro Italiano – Al di là (WB-Odeon) (2)
4. Pery é todo Bossa (Odeon) (4)
5. Bossa Nova com Herbie Mann (Atco-Fermata) (6)

6. Sucessos de ouro - Emilio Pericoli (WB-Odeon) (5)
7. Hatari – Henry Mancini (RCA) (3)
8. A Swingin' safari - Bert Kaempfert (Polydor) (9) 24 wks
9. The Dizzy Gillespie Quintet – Uma noite eletrizante (Verve-Copacabana)
10. Picture of Frank Sinatra - Oscar Peterson Trio (Verve-Copacabana) (10)

Uau, q parada BN! Realmente, Os Cariocas venderam bastante. Esse do Pery, não lembro de cabeça de notas sobre esse disco, mas como é super-fácil de encontrá-lo, já dá p'ra matar a charada. Sem contar q ele é cantor boa-pinta de vozeirão, bem estilão do sucesso da época; uma conjunção interessante do velho com o novo. Odeon ainda, é batata. E aí está mesmo a primeira gravação do “Garota de Ipanema”. Esse do Herbie Mann, não conheço. Vou pesquisar mais a respeito. Puxa, ainda tem dois discos de jazz. Essa semana tá sofisticada demais, não?

9 de Agosto de 1963 – L.P.Branconnot

1. Avanço - Tamba Trio  [5] (Philips) (1)
2. A grande revelação - Altemar Dutra (Odeon) (7)
3. A bossa dos Cariocas (Philips) (2)
4. Candelabro Italiano – Al di là (WB-Odeon) (3)
5. Bossa Nova com Pedrinho Mattar (Fermata)

6. Picture of Frank Sinatra - Oscar Peterson Trio (Verve-Copacabana) (10)
7. Canta Nico Fidenco – Tutta la gente (RCA)
8. Bossa Nova com Herbie Mann (Atco-Fermata) (5)
9. Giant steps - John Coltrane (Atco-Fermata)
10. Hatari – Henry Mancini (RCA) (7)

Pedrinho Mattar? Aki no Rio? Fermata? Suspeito...

13 de Setembro de 1963 – L.P.Branconnot

1. Avanço - Tamba Trio [10] (Philips) (1)
2. A bossa dos Cariocas (Philips) (3)
3. Órgão, samba e percussão  - André Penazzi (Audio Fidelity)
4. Tudo azul - Zé Maria e seu orgão (Continental)
5. Quando l'amour est mort - Gilbert Becaud (Odeon)

6. Uirapuru – Vozes da Amazônia - Johan Dalgas Frisch (Sabiá-Copacabana) (2)
7. Petula Clark (Mocambo)
8. Hatari – Henry Mancini (RCA)
9. Brigitte Bardot (Maria Ninguém) (Philips)
10. A grande revelação - Altemar Dutra (Odeon)

Aki tem uma curiodidade. Esse "Tudo Azul" era disco de um organista famoso e ativo desde a década  de 40 chamado Zé Maria. Nele estão as duas primeiras gravações do Jorge Ben. Tem o “Por Causa de Você, Menina” e o “Mas Que Nada”.  Nem de perto são legais como as do “Samba Esquema Novo”. Akele violão diferente dele aparece, ainda que embora discreto. Ele tbm fala ‘voxê’. E perceba q logo na semana seguinte já entra o LP dele em primeiro lugar. Que sorte deu esse Zé Maria, hein? No LP “O Fino da Bossa”, já reparou como a platéia vai ao delírio qndo o locutor o anuncia?

25 de Outubro de 1963 – L.P.Branconnot

1. A nova bossa nova de Roberto Menescal e seu conjunto [1] (Elenco)
2. Baden Powell (Elenco)
3. Samba esquema novo - Jorge Ben (Philips) (1)
4. Avanço - Tamba Trio (Philips) (2)
5. A bossa dos Cariocas (Philips) (7)
6. Living it up – Bert Kaempfert (Polydor)

7. Os grandes sucessos - Edith Piaf (Odeon)
8. Mondo Cane - sound-track - Riz Ortolani (Fermata) (10)
9. A grande revelação - Altemar Dutra (Odeon) (5)
10. Isto é Lamartine - Os Rouxinóis (Copacabana)

1st November 1963 – L.P.Branconnot

1. A nova bossa nova de Roberto Menescal  e seu conjunto [2] (Elenco) (1)
2. Avanço - Tamba Trio (Philips) (4)
3. Sylvia Telles (Elenco)
4. A bossa dos Cariocas (Philips) (5)
5. Românticos de Cuba no cinema vol. 4 (Musidisc)
6. Samba esquema novo - Jorge Ben (Philips)
7. A grande revelação - Altemar Dutra (Odeon) (9)
8. Uniquely – Henry  Mancini (RCA)
9. Bags & Tranes - John Coltrane & Milt Jackson (Atco-Fermata)
10. História musical de Noel Rosa  por Marilia Batista (Musidisc)


Aki começa essa novela da Elenco. Akela velha história; disco da Elenco na parada, só acredito no do Menescal, 'Vinícius e Caymmi no Zum Zum', Nara e Tom. Talvez Vinícius e Odette Lara... Tudo fica ainda mais nebuloso qndo se trata desse jornal aki. Os cronistas eram amigos pessoais do Aloysio, onde não deveria ser mto difícil atender a um pedido do amigo. Creio q qndo vc fizer o cruzamento das diversas paradas, essa questão vai poder ser elucidada. E vai resolver esse negócio de solistas-de-violão. Qnto a eles, não sei não... Pequeno comentário sobre o LP do Menescal. Tbm é um disco de BN intrumental. Ele é bem mais cool q o do Tamba. Super criativo dentro da proposta, embora menos inventivo.

15 November 1963 – L.P.Branconnot

1. Vinicius & Odete Lara [1] (Elenco)
2. Samba esquema novo - Jorge Ben (Philips) (3)
3. Avanço - Tamba Trio (Philips) (2)
4. A nova bossa de Roberto Menescal e seu conjunto (Elenco) (1)
5. Mondo Cane - sound-track (Fermata)

6. Samba de boite - Conjunto CBS (CBS)
7. Oscar Castro Neves (Elenco)
8. Uniquely – Henry Mancini (RCA) (6)
9. Os anjos cantam vol. 2 - Nilo Amaro & seus cantores de Ébano (Odeon)
10. The Ventures (RCA)

Ahááá!! Peguei!!! O Oscar Castro Neves não gravou nenhum disco pela Elenco. Como já havia falado, os cronistas registravam a movimentação do Aloysio pela cena musical. E uma das coisas mais interessantes q eles noticiavam eram as intenções dele para com a Elenco. Para Aloysio de Oliveira, todo show de boite era um disco em potencial, o q de fato era. Ele então os gravava para depois editá-los e lançar no mercado. Provavelmente, ele gravou um show do Oscar com a intenção de lançar, mas o disco acabou não saindo. Suspeitissíssmo! Babava com as coisas q ele gravava. Aliás, é mto possível q ele tenha gravado quase todos os shows do Beco. E eu pergunto: o q terá sido feito do acervo do homem?

26 December 1963 – L.P.Branconnot

1. Mensagem - Altemar Dutra [1] (Odeon) (4)
2. Samba esquema novo - Jorge Ben (Philips) – (5)
3. Moacyr Franco (Copacabana) 
4. A nova bossa nova de Roberto Menescal e seu conjunto (Elenco) (1)
5. Sérgio Ricardo (Elenco)

6. A harpa e a cristandade – Luis Bordon (Chantecler) (2)
7. Canção do nosso amor - Miltinho (RGE)
8. Bossa Nova Jazz Samba (Nilser)
9. Isto é Lamartine - Os Rouxinóis (Copacabana) (10)
10. A meiga Elizeth no. 4 (Copacabana)

Absurdo Sérgio Ricardo. Esse é um dos discos mais conceituais dessa primeira fase da carreira dele. Mais difícil q ele, só Johnny Alf. Melodias sinuosas e sem chorus, harmonia toda alterada.

Tréplica de Luiz Amorim sobre comentarios de Gabriel Gonzaga sobre Parada de LPs de 1963.

Puxa, Gabriel, v. realmente fez o serviço completo.  Fiquei muito feliz de saber tantas coisas que ignorava. Obrigadíssimo pelo tempo gasto na feitura de tal relato.  Vai, realmente, engrandecer o trabalho começado pela Marcia e continuado por mim.

Agora vejo que eu conheci muito pouca da chamada Bossa, e muito menos ainda sobre Bossa Instrumental, como Tamba Trio e outros menos famosos.

Para v. ter uma idéia do que eu conheci na minha adolescência:  a partir de 1964 eu costumava ouvir um programa de parada de sucessos na Radio Bandeirantes, produzido e apresentado por Ricardo Macedo. Ele era irmão mais novo do Fausto Macedo, que foi o 1º DJ a ter um programa de HP (hit parade) nos moldes norte-americanos a partir de 1948, na Radio Excelsior.  Essa parte aí do irmão Fausto eu fiquei sabendo pelas entrevistas que ele deixou no MIS, cortezia da Thaís.

Ricardo continuou com o trabalho do irmão e a partir de 1960 formou uma equipe que telefonava p’r'as principais lojas de discos de São Paulo e fazia uma lista chamada 'As 25 Mais Vendidas da Semana', que era apresentada em forma de ‘countdown’ do 25º ao 1º lugar – entre 10 horas e meio-dia aos domingos.

Na 2a. o Ricardo apresentava os Compactos-duplos mais vendidos do 10º ao 6º posto. Na 3ª eram C.duplos do 5º ao 1º posto. Na 4a., Ricardo apresentava os LPs do 10º ao 6º; na 5a., os LPs do 5o ao 1º .

Macedo sempre dizia o número da classificação e apresentava uma música representativa do micro-sulco. ‘Samba da benção’, do Vinicius, por exemplo, era sempre tocada, além de faixas dos LPs do Zimbo Trio, e outros conjuntos instrumentais, que você raramente ouvia em outros programas. ‘Das rosas’ com Caymmi e o Quarteto em Cy sempre tocava.  ‘Primavera’ com a Sylvinha etc.

Eu escutava esses programas religiosamente. Começava as 9:30 e acabava as 10:00 da manhã.  Na 6ª eram os compactos-simples do 10º ao 6º e, finalmente, no sábado, ele tocava os singles mais vendidos, que tinham sido apresentados no domingo anterior. Portanto, o Ricardo Macedo tinha programa na Bandeirantes 365 dias por ano. E quem o escutava ficava por dentro de exatamente tudo o que se vendia em fonogramas no Brasil, ou em São Paulo. Ele tocava até o Johan Dalgas Frisch e seus pássaros cantores.

Então, posso afirmar que meu conhecimento da chamada ‘Bossa’, veio desses programas, mais o ‘Pick-up do Pica-Pau’, que era um programa popular que o Walter Silva apresentava nas manhãs paulistanas. Pica-Pau mudava de estação-de-radio, mas seu programa tinha sempre o mesmo formato. Qdo. ele lançou ‘O fino da bossa’, fêz história, pois o LP não saia do 1º posto. Não sei pq. 'O Fino' não ‘estourou’ no Rio, como aqui... ou essa Parada da Tribuna não é nada confiável. Se Walter tivesse apresentado um show no Paramount na 2ª feira de noite, geralmente, ele mostrava partes do show na 4a. Era só esperar, que o Walter mostrava o ‘ouro’.  Mesmo antes de saber qual a gravadora que iria lançar a ‘obra’. Me lembro de ter escutado em primeira mão aquela do Marcos Valle, com a Elis ‘arrebentando’ no final (Terra de ninguém). Me lembro até do ‘Dois na Bossa’, que foi o disco mais vendido da década de 60. Saiu em disco algumas semanas depois.

Então, meu conhecimento é por aí. Fico feliz de poder aprender mais com você sobre aquela época incrível. Ah, parabéns por inferir toda a ‘arrumação’ em volta da colocação de um LP na Parada da Tribuna [o do Oscar Castro Neves] que nunca chegou a ser gravado. Golpe de mestre o seu. O ‘absurdo’ do LP do Sergio Ricardo também. Imagine que Sergio foi vaiado em festival de musica popular, pois a musica dele (Beto, bom de bola) era ‘difícil’. Imagine o que ele fazia em LP.

Aquela do Jorge Ben cantando no LP do Zé Maria (Tudo azul) tb. é incrível.  Só gente que entende da matéria é que saberia isso.  Eu nunca soube. Sim, o Jorge Ben era muito considerado naquele tempo. Ele só se tornou mais ‘polêmico’ qdo. começou a aparecer no programa ‘Jovem Guarda’.  Daí, o pessoal da ‘bossa’ não o perdoou. Isso antes do aparecimento do ‘tropicalismo’, que jogou merda no ventilador, ou como os australianos falam, jogou chave-de-fenda no centrifugador.

Ah, tem um trecho que eu não entendi:  Eles acharam q fazer grandes musicais era como colocar Fusca na praça (parafraseando Elis). Depois desse, fizeram um chamado “Sambamba”. Olha q horror, a começar pelo título. Tinha Cyro Monteiro, Elizeth (já era tempo do Bossaudade?)...

O Fino da Bossa’, o primeiro programa musical da TV Record estreou em 24 maio 1965. Era gravado no Teatro Record às segundas-feiras - seguindo a tradição iniciada por Walter Silva e seus shows de bossa-para-alunos-de-faculdades - e levado ao ar, em VT, na quarta-feira. Como o programa fez muito sucesso, a direção da Record bolou outros: 'Bossaudade', comandado por Elizeth Cardoso e Cyro Monteiro estreou em 14 julho 1965 - gravado às 4a. feiras em video-tape e levado ao ar às 5as. O Jovem Guarda’ teve sua estréia em 22 agosto 1965 e era o único programa transmitido 'ao vivo', no próprio domingo as 16:00 horas. Em 9 novembro 1965, estreou o 'Corte-Royal Show' comandado por Agnaldo Rayol e o comediante Renato Corte-Real, gravado às 3as. e transmitido às sextas-feiras, que logo se tornou o mais popular de todos os programas musicais da grade da TV Record.  

No comments:

Post a comment